Blogia
Terrae Antiqvae

Descoberto em Mêda tesouro romano do século IV com 4.526 moedas, em Vale do Mouro, Coriscada

Coriscada 1 TerraeAntiqvae

Um tesouro monetário romano do século IV d.C., com 4.526 moedas, foi encontrado no sítio arqueológico do Vale do Mouro, Coriscada, concelho de Mêda, disse hoje à Agência Lusa o arqueólogo responsável pelas escavações.
Segundo o arqueólogo António Sá Coixão, as moedas de cobre e bronze estavam escondidas numa parede, «juntamente com objectos de ferro, provavelmente na casa que teria pertencido a um ferreiro».

O achado foi descoberto na quinta-feira passada, no último dia da campanha das escavações arqueológicas que estavam a decorrer no local desde Julho. «Estava no local com dois homens, já a elaborar os desenhos finais, mas mandei fazer uma sondagem», contou António Sá Coixão à Lusa.

«Os homens começaram a abrir uma vala e um deles chamou-me a atenção dizendo que estavam lá umas paredes e foi nessa ocasião que encontrámos as moedas escondidas»; o espólio estava «dentro de um saco de serapilheira, o que é uma coisa para o inédito», disse.

Referiu que quem escondeu o «tesouro» executou «um alinhamento de pedras, colocou as moedas no interior de um saco de serapilheira, deitou uma camada de terra e, por cima, disfarçou com ferragens diversas (uma foice, uma picareta, argolas para lareira, duas chaves, etc.) e mais terra, para as pessoas pensarem que era uma tulha de ferreiro».

Coriscada 4 TerraeAntiqvae

«Ou seja - admite o arqueólogo -, o dono das moedas enterrou-as no local, mas depois terá morrido e já não as desenterrou, tendo elas permanecido escondidas até agora».

António Sá Coixão mostra-se surpreendido com o achado, constituído por um número «invulgar» de moedas, relatando que já tinha encontrado outro «tesouro monetário» de menor grandeza, composto por 414 moedas, durante prospecções realizadas em Freixo de Numão, concelho de Vila Nova de Foz Côa.

Todavia, observou, que «os tesouros romanos são encontrados nos sítios mais esquisitos».

Segundo o responsável, o espólio tem «um valor muito grande», tendo em conta a futura musealização do sítio arqueológico e a criação de um museu onde todo o material ali encontrado será mostrado aos visitantes.

As 4.526 moedas «não podem ficar por aqui, têm que ser rapidamente inventariadas», aponta o arqueólogo, adiantando que serão contactados especialistas que as irão estudar, limpar e inventariar, como aconteceu com o achado de Freixo de Numão.

«Não podem ficar fechadas num cofre, têm que ser preservadas», defendeu, acrescentando que «as moedas de bronze conservam-se melhor, mas as de cobre estão muito deterioradas».

Coriscada 2 TerraeAntiqvae

O arqueólogo recordou que no mesmo local, nas campanhas arqueológicas de 2006 e 2007, foram encontradas diversas áreas revestidas com mosaico policromado idêntico ao de Conímbriga, o que revela a importância do sítio romano.

No ano passado foi descoberta uma sala com cerca de seis metros quadrados e, este ano, um corredor em L e mais duas salas (uma delas aquecida) também revestidas com mosaicos policromados, adiantou.

Coriscada 3 TerraeAntiqvae

O mosaico está decorado com figurações humanas, geométricos e florais «com seis a sete cores», com «muito boa qualidade e desenhos diversificados», disse.

O achado que, segundo António Sá Coixão, datará da segunda metade do século III e primeira do século IV d.C. faz parte da área envolvente do complexo do balneário romano que começou a ser estudado em 2002.

«Estamos perante uma vila de dimensões muito grandes. Já escavámos muito, mas ainda estamos muito além daquilo que é o vicus [aldeia] ou vila romana», declarou.

«Encontrámos um conjunto enorme de achados que não é comum», salientou o especialista, referindo que foram descobertas diversas estruturas, divisões, lojas, fornos, lagares e lagaretas.

Na campanha arqueológica deste ano participaram cerca de 50 arqueólogos, técnicos e alunos de arqueologia de Universidades do Porto, Polónia, Sérvia, Jugoslávia, Itália e Espanha, adiantou.

Segundo o mesmo responsável, as escavações no sítio do Vale do Mouro serão retomadas em Julho de 2008, no âmbito de um projecto apoiado pelo Instituto Português de Arqueologia, Câmara Municipal de Mêda, Junta de Freguesia e Centro Sócio-Cultural da Coriscada.

Fuente: Caminos.com, 11 de octubre de 2007
Enlace: http://www.kaminhos.com/destaque.asp?id_artigo=7281

Más información:

Centro Sócio-Cultural da Coriscada

¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres
¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres

0 comentarios

¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres